Paleontologia e ensino básico: análise dos Parâmetros Curriculares Nacionais e dos livros didáticos em Juiz de Fora, MG, Brasil

Authors

  • Camila Neves Silva Departamento de Geociências, Instituto de Ciências Humanas, e Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Federal de Juiz de Fora, Rua José Lourenço Kelmer, s/n, Campus Universitário, São Pedro, 36036-900, Juiz de Fora, MG, Brasil.
  • Micaela Aparecida Faria Mendes Faculdade de Ciências Biológicas, UFJF, Rua José Lourenço Kelmer, s/n, Campus Universitário, São Pedro, 36036-900, Juiz de Fora, MG, Brasil.
  • Milla Mariano Carvalho Faculdade de Ciências Biológicas, UFJF, Rua José Lourenço Kelmer, s/n, Campus Universitário, São Pedro, 36036-900, Juiz de Fora, MG, Brasil.
  • Gustavo Martins Stroppa Programa de Pós-Graduação em Biodiversidade e Conservação da Natureza, Instituto de Ciências Biológicas, UFJF, Rua José Lourenço Kelmer, s/n, Campus Universitário, São Pedro, 36036-900, Juiz de Fora, MG, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.4072/rbp.2021.1.05

Abstract

Paleontology and basic education: analysis of Parâmetros Curriculares Nacionais and textbooks in Juiz de Fora, MG, Brazil. Paleontology has a crucial role in teaching Science and Biology for helping to understand different natural processes, although there is limited space in its school approach. It is necessary to understand how its content has been worked by the teachers, both quantitatively and qualitatively. In order to understand how their themes are addressed by basic education textbooks, in private and public schools in Juiz de Fora, after analyzing the Parâmetros Curriculares Nacionais (National Curriculum Parameters, translated by the authors) - PCNs and their guidelines, from the sixth to the ninth year of elementary school and of the entire high school, a table of presence or absence was set up, with the main themes in Paleontology indicated, analyzing which were present in each book. For qualitative analysis, 11 questions were listed. The analysis included 22 themes in 18 elementary school and 15 high school books. High school books had the largest number of topics covered, with 123 presences, and elementary school, 69. The most present themes were: “Origin of Life”, “Theory of Evolution” and “Fossil Concept”; the least addressed: “Types of Fossils”, “Fossils as Non-Renewable Natural Resources” and “Great Extinctions”. Most books deal with subjects with no connection with other areas, without contextualization, with rare interdisciplinarity and relationship with environmental issues, necessary to confront science denialism and the recent risks of educational retrogression. The results reveal the importance of broadening the discussion on how to address Paleontology in basic education, assessing school incentives, teachers’ motivation, the perception of the importance of teaching this science, and the use of other tools besides the textbook.

Keywords: science teaching, Base Nacional Comum Curricular, school, environmental education, fossils.

RESUMO – Por auxiliar na compreensão de diversos processos naturais, a Paleontologia tem crucial papel no ensino de Ciências e Biologia, embora haja espaço limitado em sua abordagem escolar. É preciso compreender como seu conteúdo tem sido trabalhado pelos/as docentes, quantitativamente e qualitativamente. Para entender como seus temas são abordados pelos livros didáticos do ensino básico em escolas particulares e públicas de Juiz de Fora, após análise das diretrizes dos Parâmetros Curriculares Nacionais - PCN, do sexto ao nono ano do Ensino Fundamental e de todo o Ensino Médio, foi montada uma tabela de presença ou ausência, com os principais temas em Paleontologia indicados, analisando-se quais constavam em cada livro. Para análise qualitativa, foram elencadas 11 questões. A análise abrangeu 22 temas em 18 livros do Ensino Fundamental e 15 do Ensino Médio. Os livros do Ensino Médio tiveram maior número de temas abordados, com 123 presenças, e o Ensino Fundamental, 69. Os temas mais presentes foram: “Origem da Vida”, “Teoria da Evolução” e “Conceito de Fósseis”; os menos abordados, “Tipos de Fósseis”, “Fósseis como Recursos Naturais Não-Renováveis” e “Grandes Extinções”. A maioria dos livros trata os assuntos sem ligação com outras áreas, sem contextualização, com rara interdisciplinaridade e relação com questões ambientais, necessárias ao enfrentamento do negacionismo científico e os recentes riscos de retrocesso educacional. Os resultados revelam a importância de ampliar a discussão sobre como trabalhar a Paleontologia no ensino básico, avaliando-se os incentivos das escolas, a motivação dos professores, a percepção sobre a importância do ensino de temas dessa ciência e o uso de ferramentas além do livro didático.

Palavras-chave: ensino de ciências, Base Nacional Comum Curricular, escola, educação ambiental, fósseis.

References

Abranches, C.T.S. & Bernardes-de-Oliveira, M.E.C. 2017. Contínuas intervenções sobre Paleontologia em uma comunidade escolar e impactos gerados. XXV Congresso Brasileiro de Paleontologia. 2017. Ribeirão Preto, USP.

Almeida, C.M. de; Carvalho, A.S.T.de; Orioli, A.R. 2017. Análise dos Conteúdos de Evolução e Geociências em Livros Didáticos do Ensino Médio adotados em Escolas Públicas de Anápolis, Goiás. IX Congreso Iberoamericano de Inclusión Educativa y Sociodigital. 2017. 1 ed. Madrid, Espanha: Universidad de Alcalá. Servicio de Publicaciones Plaza de San Diego.

Alonço, M.; Boelter, R. A. 2016. Paleontologia nos livros didáticos de biologia do Ensino Médio. In: VI Enebio e VIII Erebio Regional 3, 2016, Maringá. Anais VI Enebio e VIII Erebio Regional 3. Maringá: Revista da SBEnBio, p. 7672-7682.

Auler, D. 2007. Enfoque Ciência-Tecnologia-Sociedade: pressupostos para o contexto brasileiro. Ciência & Ensino, 1: 1-20.

Bloomfield, B. 2014. The long goodbye: a study of earth's declining biodiversity deftly traces patterns and processes, finds Bob Bloomfield. Nature, 506 (7487).

Brasil. 1996. Lei 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Congresso. Brasília, DF.

Brasil. 1997. Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais: ensino médio: ciências da natureza, matemática e suas tecnologias. Brasília, DF. Secretária da educação Média e Tecnológica.

Brasil. 2010. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Básica. Brasília: Conselho Nacional de Educação.

Brasil. 2014. Lei 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE. Congresso. Brasília, DF.

Brasil. 2017. Decreto n°. 9.099, de 18 de julho de 2017. Dispõe sobre o Programa Nacional do Livro e do Material Didático. Brasília, DF. Ministério da Educação.

Brasil. 2018. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília:MEC/SE/SEB/CNE.URL:http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wpcontent/uploads/2018/12/BNCC_19dez2018_site.pdf. Acesso 20 jan. 2020.

Carvalho, I.S.(Ed.). 2004. Paleontologia. Ed. Interciência, v.1, p. 833-861.

Cassab, R.C.T. 2010. Objetivos e princípios. In: I.S. Carvalho (ed.) Paleontologia: conceitos e métodos. Rio de Janeiro: Interciência. p. 3-11.

Ceballos, G. & Ehrlich, P.R. 2018. The misunderstood sixth mass extinction. Science, 360: 1089-1081.

Costa, M.C.S.; Farias, M.C.G & Souza, M.B. 2019. A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e a formação de professores no Brasil: retrocessos, precarização do trabalho e desintelectualização docente. Movimento – Revista de Educação. 6, (10).

Cruz, L.C.O.; Moraes, S.S. & Chaves, R.S. 2019. Importância dada à Paleontologia e Geologia no ensino de Ciências Naturais e Biologia: o que mudou? Terræ Didatica, 15: 1-13. doi: 10.20396/ td.v15i0.8654886

Dias, F.M.G; Bortolozzi, J. 2009. Como a evolução biológica é tratada nos livros didáticos do ensino médio. Anais do VII Enpec. Florianópolis.

Eldredge, N. & Gould, S.J. 1972. Punctuated equilibria: an alternative to phyletic gradualism. In: T. J.M. Schopf (Ed.) Models In Paleobiology. Freeman, San Francisco, Cooper and Company, p. 82-115.

Faria, A.C.R., Crislei, G., Santiago, G., Silva, E.S., Costa, R.H., Rover, D.M., Bernardes, R. 2012. Ensino de Paleontologia em escolas públicas de ensino médio do município de Divinópolis, MG. Revista Professores em Formação, 3: 1-7.

Freire, P. 1987. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 253 p.

Henriques, M.H.P. 2010. Paleontologia e educação para a sustentabilidade. In: I.S. Carvalho (ed.) Paleontologia. Rio de Janeiro, Interciência. p. 689-700.

Kolbert, E. 2015. A sexta extinção - Uma história não natural. Rio de Janeiro, Intrínseca, 336 p.

Layrargues, P.P. & Lima, G.F.C. 2014. As macrotendências político-pedagógicas da educação ambiental brasileira. Ambiente e Sociedade, 17:1.

Macedo, E. 2016. Base nacional curricular comum: a falsa oposição entre conhecimento para fazer algo e conhecimento em si. Educação em Revista, 32 (2): 45-68.

Macedo, E. & Frangella, R.C.P. 2016. Apresentação – Políticas de currículo ou base nacional comum: debates e tensões. Educação em Revista, 32 (2): 13-17.

Mendes, M.A.F., Carvalho, M.M., Chiavegatto, B., Silva, L.C., Gomes, Y.S., Silva, C.N. 2017. Análise Comparativa entre as coleções didáticas de fósseis das instituições de ensino superior de Juiz de Fora, MG. XL Semana de Biologia da Universidade Federal de Juiz de Fora, MG.

Moraes, E.C. 2004. Abordagem Relacional: uma estratégia pedagógica para a educação científica na construção de um conhecimento integrado. IV Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. 2004. Bauru.

Moraes, S.S.; Santos, J.S.; Brito, M.M.M. 2007. Importância dada à Paleontologia na Educação Brasileira: uma análise dos PCN e dos livros didáticos utilizados nos colégios públicos de Salvador – Bahia. In: Carvalho, I.S. et al. Paleontologia: Cenários de Vida. v.2. Rio de Janeiro, Interciência, p.71-75.

Moura, J.C.S. & Silva-Santana, C.C. 2012. A evolução humana sob a ótica do professor do ensino médio. Revista Metáfora Educacional (13): 93-108.

Novais, T., Martello, A.R., Oleques, L.C., Leal, L.A., Rosa, Á.A.S.da. 2015. A inserção da paleontologia no ensino fundamental em diferentes regiões do Brasil. Terræ Didatica, 11(1):33-41. <http://www.ige.unicamp.br/terraedidatica/>

Palacio, G.; Vargas, A. & Hennessy, E. 2017. Antropoceno o Capitaloceno en fricción. Des-Encuentros entre Geociencias e Historia. In: H. Alimonda; C.T. Pérez; F. Martín (Eds.) Ecologia política latinoamericana: pensamento crítico, diferencia latino-americana y rearticulación espistémica. 1ª ed. Universidad Autónoma Metropolitana, Clacso, p. 265-287.

Sachs, I. 2004. Desenvolvimento includente, sustentável, sustentado. Rio de Janeiro: Garamond,

Schwanke, C. & Silva, M.A.J. 2004. Educação e Paleontologia. In: I.S. Carvalho (Ed.) Paleontologia. 2ª ed. Rio de Janeiro, Interciência, p. 123-130.

Toledo, M. C. M. 2005. Geociências no Ensino Médio Brasileiro - Análise dos Parâmetros Curriculares Nacionais. São Paulo: Revista do Instituto de Geociências – USP. v. 3, p. 31- 44.

Vasconcelos, S.D., Souto, E. 2003. O livro didático de ciências no ensino fundamental. Proposta de critérios para análise do conteúdo zoológico. Ciência & Educação, 9(1), 93-104.

Zabini, C., Souza, M.A.M. 2016. Três conceitos biológicos/paleontológicos que seguem as diretrizes dos PCN do ensino médio para aplicação em aulas de Biologia. Terræ Didatica, 12(2):104-117.

Zalasiewicz, J.; Waters, C.N.; Ivar do Sul, J.; Corcoran, P.L.; Barnosky, A.D.; Cearreta, A.; Edgeworth, M.; Galuszka, A.; Jeandel, C,; Leinfelder, R.; McNeill, J.R., Steffen, W.; Summerhayes, C.; Wagreich, M.; Williams, M.; Wolfe, A.P.; Yonan, Y. 2016. The geological cycle of plastics and their use as a stratigraphic indicator of the Anthropocene. Anthropocene, 13: 4-17.

Published

2021-01-30

How to Cite

Silva, C. N., Mendes, M. A. F., Carvalho, M. M., & Stroppa, G. M. (2021). Paleontologia e ensino básico: análise dos Parâmetros Curriculares Nacionais e dos livros didáticos em Juiz de Fora, MG, Brasil. Revista Brasileira De Paleontologia, 24(1), 62-69. https://doi.org/10.4072/rbp.2021.1.05