Comunicados

São Paulo teve jacaré com carapaça de tatu

Entre 90 e 80 milhões de anos atrás, o interior do Brasil era o lar dos jacarés mais esquisitos que existiram, os esfagessauros. Eles eram jacarés terrestres e tinham patas longas como as de um lobo. Em 2008, descobriu-se uma espécie com dentes próprios de um herbívoro. Ao contrário de qualquer crocodiliano vivo ou extinto, todos carnívoros, o Sphagesaurus montealtensis era um jacaré que pastava. Agora, achou-se outra espécie ainda mais estranha, revelada com exclusividade por ÉPOCA. O mais novo esfagessauro brasileiro era protegido por uma intrincada armadura formada por placas ósseas fixas e móveis, assim como acontece com a carapaça dos tatus atuais. É o que afirmam os seus descobridores, os paleontólogos Thiago Marinho e Ismar de Souza Carvalho, da Universidade Federal do Rio de Janeiro. O Armadillosuchus arrudai (ou crocodilo-tatu) foi encontrado na região de General Salgado, noroeste do Estado de São Paulo. Seus fósseis são compostos por um crânio quase completo, uma pata, e uma complexa e surpreendente armadura.

O escudo de placas ósseas do Armadillosuchus começa na base do crânio, onde as placas têm formato hexagonal e são fixas, formando um tipo de capacete ósseo. É só depois do pescoço que as placas, agora retangulares, tornam-se móveis, como na carapaça dos tatus. Uma outra característica do Armadillosuchus são as suas longas presas posteriores. Elas são saltadas para fora, assim como acontece com as queixadas. Segundo Marinho e Carvalho, estas presas podiam ter a função de escavar o solo para coletar alimentos. Tudo indica que o animal era onívoro, ou seja, tinha uma dieta variada. “É plausível que esses animais poderiam se alimentar de moluscos, insetos ou mesmo raízes, pinhas e plantas”, afirma no estudo, publicado no Journal of South American Earth Sciences.

Há 90 milhões de anos, no período Cretáceo, o interior paulista era uma caatinga semi-árida. O estudo das rochas onde estava Armadillosuchus sugere que havia na região um lago, onde o bicho se alimentava. Procurados pela reportagem de ÉPOCA, os autores não se pronunciaram. Eles afirmaram que só o farão na apresentação de uma reconstrução do antigo jacaré. A apresentação da reconstrução do Armadillosuchus quando vivo está prevista para depois do carnaval.

A descoberta do Armadillosuchus ocorre três meses após o anúncio de um outro jacaré extinto do grupo dos esfagessauros. O Sphagesaurus montealtensis viveu no interior de São Paulo, há 90 milhões de anos. “Ele é o jacaré mais esquisito que eu já vi”, disse a ÉPOCA o autor da descoberta, o paleontólogo Marco Brandalise de Andrade. “Ao contrário de qualquer crocodiliano vivo ou extinto, aquele bicho provavelmente era herbívoro”. Com suas características bizarras, os esfagessauros formam um grupo de jacarés terrestres ainda muito pouco conhecido. O fóssil do Armadillosuchus é o mais completo já encontrado.

Os esfagessauros pertenciam a um grupo maior, o dos notossúquios, ou “crocodilos austrais”. Os notosuchus surgiram no antigo supercontinente de Gondwana, que começou a se dividir há mais de 160 milhões de anos para dar origem a América do Sul, África, Austrália, Antártica e Índia. Na América do Sul, eles viveram da Patagônia ao Nordeste brasileiro. Além de São Paulo e Minas Gerais, seus fósseis foram encontrados em Mato Grosso, no Maranhão e no Ceará. Exemplos são os “paulistas” Adamantinasuchus, Baurusuchus e Mariliasuchus, o “mineiro” Uberabasuchus e o “cearense” araripesuchus.

Fale conosco através do formulário de contato em nosso site clicando aqui. © Sociedade Brasileira de Paleontologia. Todos os direitos reservados.
Esmeril Design